Mobilidade


Mobilidade

Prezados
Saudações Tecnológicas e Acadêmicas
Boa Tarde!
Aproveitei este recesso acadêmico para tecer uma análise sobre o impacto da mobilidade no nosso labor.
Temos presenciado um incremento da TI em diversas situações no cumprimento de nossas funções, cargos e trabalho. O próprio CREA-RJ se propõe a ser um modelo de e-autarquia. Uma das metas a ser atingida pela atual gestão, a qual conta com o nosso apoio no cumprimento e implementação.
Espero contribuir não só para reflexões sobre o tema como ajudar na inserção da mobilidade em nossas atividades.
Um bom fim de semana a todos
Jorge Bitencourt
Presidente da ABEE-RJ
Devido à alta utilização de dispositivos móveis, em particular smartphones, o Brasil é um dos países onde as pessoas usuárias da Internet, denominadas internautas, passam mais tempo conectadas a Nuvem. Mais de 50 % afirmam que permanecem o dia inteiro na Internet e outros 20% se conectem de hora em hora, segundo pesquisa de consultoria AT Kearney. Esses números indicam não uma tendência, mas um caminhão sem volta rumo à mobilidade e à possibilidade de novos modelos de negócios e oportunidades para as indústrias e concessionárias de serviços.
Com aplicativos móveis, próprios na maioria ou adquiridos, as empresas conseguem um maior relacionamento com seus clientes, entendendo melhor seus anseios e necessidades, otimizam processos e monitoram de forma eficiente e em tempo real dados gerando informações sobre negócios e oportunidades. Entretanto, para muitos ainda não é tangível enxergar os benefícios da mobilidade dentro do ambiente corporativo, seja pela maneira como a colaboração ocorre nas empresas e instituições ou pela forma como a comunicação chega aos funcionários e aos end user, a razão de ser qualquer empreendimento ou negócio.
Por que ainda não usufruímos da mobilidade no ambiente de trabalho? Acesso a e-mails, contatos, calendários, portfolios e profiles é suficiente frente a potencialidade e benefícios dos atuais aparelhos móveis e aplicativos aos quais temos acesso diariamente?
A mobilidade fez com que os profissionais, especialmente os jovens egressos dos cursos de formação, criassem grandes expectativas com relação às empresas e desejassem ter, no ambiente de trabalho, sistemas, processo e ferramentas ágeis e flexibilidade quanto ao exercício de atividades, que um local fixo de trabalho muitas vezes não oferece. Estes são desafios para as empresas que ainda não utilizam modelos de negócios focados no mundo da mobilidade.
A indústria através do desenvolvimento tecnológico criou soluções para cada um dos aspectos da mobilidade que mais preocupam os profissionais de TI, como segurança, conectividade, gerenciamento e compartilhamento. Desta forma, a infraestrutura necessária para a mobilidade está pronta e disponível para as empresas.
Uma questão se coloca. O mundo corporativo está pronto para intensificar a adoção da mobilidade, possibilitando o exercício profissional de seus funcionários a liberdade de trabalhar em qualquer lugar e utilizando dispositivos móveis?
Atualmente os dispositivos e aplicativos móveis são encarados como parte da estratégia de negócio e isso pode ser percebido não só no discurso e postura das empresas, destacando os setores de serviços. De acordo com o IDC, 33,5 % dos funcionários das médias e grandes empresas já são móveis e utilizam dispositivos corporativos. Esta é uma tendência que cresce a cada ano. As empresas devem estar capacitadas para recebe-la, ou melhor implementar a mobilidade.
Mais do que em termos de infraestrutura e aquisição de tecnologias, a mudança precisa ocorrer na mentalidade dos gestores, que ainda vivem a transformação digital de forma reativa.
Funcionários que possuem ferramentas de trabalho disponíveis também em dispositivos móveis têm a possibilidade de interagir em tempo real com seus colegas e com os seus superiores, agilizando a tomada de decisões. São mais produtivos, engajados, satisfeitos e criam formas mais eficientes e adequadas à nova realidade para entregar os resultados esperados cumprindo as metas das empresas.
Como viabilizar a mudança da mobilidade? Não ter medo de dar poder e voz a colaboradores, valorizar o compartilhamento das informações e, mais do que tudo, estabelecer o limite entre confiança e riscos, por intermédio de políticas de segurança e capacitação.
Com o exposto acima, parece que o desenvolvimento de modelo de negócio focado numa estratégia móvel é lento e difícil. A transformação digital começou fora fora das paredes dos grandes escritórios e sua assimilação no labor não é simples. No entanto, acreditamos que mais do que possível é inevitável. O modelo de trabalho tradicional no setor de serviços, como é conhecido hoje, está com os dias contados. A velocidade de resposta das empresas e a capacitação de seus colaboradores é o que definirá o sucesso de sua inserção no mundo da mobilidade.